Governo do Distrito Federal
6/05/22 às 8h42 - Atualizado em 16/05/22 às 9h54

Parque Ecológico de Águas Claras, um oásis em meio ao concreto

COMPARTILHAR

No aniversário de Águas Claras, que completa 19 anos nesta sexta (6), os moradores têm motivos para comemorar o privilégio de contar com um espaço de lazer especial. Frequentadores do Parque Ecológico de Águas Claras demonstram satisfação com a unidade de conservação gerida pelo Instituto Brasília Ambiental. Ao mesmo tempo em que elogiam a qualidade de vida que o local lhes proporciona, eles ressaltam a necessidade de cada visitante cuidar bem do local para preservá-lo.

 

“É um ambiente tão gostoso que a gente acaba fazendo parte dele e ele parte da gente”, afirma o servidor público aposentado Júlio Furnaleto Bellucci, 71, que há 18 anos é assíduo no local, onde caminha e joga vôlei. “É preciso cuidar, ter consciência ambiental para usá-lo.”

 

A mesma opinião tem a profissional de organização e produtividade Rosália Ribas, 59: “Acho que o parque atende, democraticamente, todas as pessoas. Alguns acham que podem fazer tudo que quiserem no parque, se esquecem que ele é uma unidade de conservação e um espaço de uso coletivo. Temos que cuidar se quisermos tê-lo para nosso uso e das futuras gerações”.

 

Convivência

O advogado Mário Olímpio Medeiros Filho, 56, descreve o Parque de Águas Claras praticamente como um oásis. “É um dos poucos lugares, talvez o único aqui em Águas Claras, no qual a gente consegue ter espaço, horizontalidade e silêncio”, diz. “Vejo famílias, crianças, pessoas caminhando, fazendo piquenique, reuniões. É um lugar de convivência”.

 

O diferencial de ser um local propício para relaxamento também é destacado pela educadora financeira Elizabeth Chiclete, 59: “É um lugar de paz, supertranquilo, seguro. Consigo vir e fazer uma meditação. Aqui encontro clima para fazer ioga, caminhar ou simplesmente sentar e contemplar a natureza. De um modo geral, atende às minhas expectativas”.

 

Proteção

O Parque Ecológico de Águas Claras foi criado em 15 de abril de 2000, pela Lei Complementar nº 287. Tem como objetivo proteger o acervo da flora e da fauna nativas da região, áreas de nascentes e recarga de aquíferos, além de proporcionar a prática de atividades voltadas à educação ambiental e ao lazer.

 

Com uma área de 95,4876 hectares, a unidade de conservação tem trilhas para caminhadas, pista de ciclismo e várias quadras de voleibol e futevôlei, cercadas de quiosques que remetem ao ambiente das praias.

 

Conta também com a sede da Diretoria de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Dpcif) e o Centro de Excelência em Educação Ambiental. Às margens da Lagoa dos Patos, é possível ver os prédios que ao fundo integram a paisagem, unindo natureza e urbanização.

 

Confira o vídeo na página do Brasília Ambiental no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=uuHRl9nM7Bs.

Brasília Ambiental - Governo do Distrito Federal

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543