Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/12/17 às 22h53 - Atualizado em 17/12/18 às 11h25

Síndicos se reúnem em Águas Claras para prevenir Doença de Chagas

Síndicos de 27 condomínios de Águas Claras, sobretudo os mais próximos ao Parque Ecológico de Águas Claras, se reúnem na noite desta terça-feira, 19, com técnicos da Divisão de Vigilância Ambiental (Dival), da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, e agentes do IBRAM para discutir meios de combate e prevenção contra a contaminação por barbeiros (Triatoma infestans). Alguns desses insetos, transmissores do protozoário Trypanossoma crusi, causador da Doença de Chagas em humanos, foram encontrados há algumas semanas em prédios da região e no Parque Ecológico de Águas Claras.

O encontro será às 19h, no Centro de Referência de Educação Ambiental do Parque Ecológico de Águas Claras.  A nova reunião foi definida na semana passada, quando a gerente de Manejo e Gestão do Instituto Brasília Ambiental (IBRAM), Marcela Versiani, o administrador de Águas Claras, Manoel Valdeci Machado Elias e técnicos da Secretaria de Saúde decidiram envolver outros condomínios para uma ampla campanha de esclarecimentos sobre a presença de barbeiros naquela área. Somente em um dos condomínios, o Vive la Vie, já foram encontrados seis insetos nas suas dependências.

Os síndicos e os agentes serão treinados sobre como identificar o inseto, como evitar o contágio e as etapas entre a contaminação e a apresentação da doença. “É importante que a comunidade e os servidores do parque conheçam sobre essa doença, para orientar os usuários sobre os riscos e formas de prevenção”, justifica Marcela Versiani.  Muito embora a Secretaria de Saúde, que monitora a população de barbeiros existentes no Distrito Federal, informe que nunca houve transmissão da doença em Brasília. Como Águas Claras era uma região de matas, não é incomum que sejam encontrados alguns espécimes, já que era ali seu ambiente natural. Também está sendo providenciado material informativo para apoiar o trabalho da equipe do Parque de Águas Claras, da Divisão de Vigilância Ambiental e da Administração Regional de Águas Claras na conscientização da população.

CHAGAS – A doença pode ser transmitida de duas maneiras: pela ingestão de alimentos contaminados por fezes de barbeiro portador do protozoário Trypanossoma crusi ou por transmissão da mãe para o filho durante a gestação. Segundo a Divisão de Vigilância Ambiental, os moradores dos prédios próximos ao Parque Ecológico de Águas Claras, onde existem resquícios das matas existentes, serão orientados também a colocar telas nas janelas para evitar que insetos entrem nos apartamentos em busca de alimentos.

A Dival informa ainda que o cidadão que encontrar algum exemplar de inseto ou espécime que suspeite ser o barbeiro pode levá-lo a um dos Postos de Informação de Triatomíneos (PIT), instalados nas escolas e unidades de saúde rurais, ou nos Núcleos Regionais de Vigilância Ambiental, para análise laboratorial.  O PIT em Águas Claras está localizado no Núcleo do Guará e atende ao público também pelo telefone (61) 3381-0508 

Brasília Ambiental - Governo do Distrito Federal

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543