Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/09/15 às 12h28 - Atualizado em 17/12/18 às 11h25

Ibram na mídia: Moradores do Lago Sul debatem desobstrução das margens do Paranoá

Ação que está em andamento na faixa de 30 metros da orla foi tema de reunião na noite dessa quinta-feira (3)

(matéria veiculada na Agência Brasília, em 4/9/15)

Em clima tenso, moradores do Lago Sul lotaram o auditório da administração regional para expor preocupações acerca da desobstrução da faixa de 30 metros das margens do Lago Paranoá, à qual se mostraram contrários. Uma das questões mais frequentes do Diálogos da Orla na noite dessa quinta-feira (3) foi a efetiva recuperação e manutenção ecológicas das áreas de preservação permanente. O ambientalista João Sobrinho questionou: “Como o governo pretende preservar se vai abrir essa área tão sensível para a população?”. Segundo ele, os proprietários dos lotes não são contra a preservação, mas temem que, ao abrir o acesso, ocorra um desastre ecológico.

A presidente do Instituto Brasília Ambiental, Jane Vilas Bôas, explicou que tecnicamente, quando está em ambiente urbano, uma área de preservação ambiental permite, sem prejuízos, a construção de equipamentos de pequeno impacto e de interesse social, como ciclovias. “De qualquer maneira, a reocupação pública da orla será feita levando-se em consideração sugestões em momentos como este e, posteriormente, pela internet.”

O plano para recuperar as áreas degradadas será construído, destacou Jane, com base na participação popular, no plano de manejo da área de proteção ambiental do Lago Paranoá e no zoneamento do espelho d'água — todos prontos em anos anteriores. O representante da Associação dos Moradores da QL 12 Luiz André Reis sugeriu que os parques e a margem permaneçam isolados até que o planejamento esteja totalmente concluído. “Para criar um parque é preciso planejar, por exemplo, estacionamentos; minha rua ficou inacessível com a realização de um evento na orla no último fim de semana e isso não pode acontecer.”

Ocupação de área pública

“Não somos invasores, cercamos área pública baseados por uma lei de 2005 [nº 1.519] e agora estamos vendo toda essa destruição”, disse o presidente da Associação dos Amigos do Lago Paranoá, Marconi de Souza. A representante da Agência de Fiscalização do DF (Agefis) Márcia Muniz explicou que a operação é apenas a ponta de uma decisão judicial e que a ação de desobstrução somente pode ser suspensa por outra ordem da Justiça.

Os deputados distritais Robério Negreiros (PMDB), Cristiano Araújo (PTB) e Rafael Prudente (PMDB) e o procurador federal Roberto Eduardo Giffoni fizeram questionamentos ao Executivo com relação à disponibilidade de orçamento para a operação, à garantia de preservação ambiental da margem do Lago Paranoá e ao total cumprimento da sentença judicial.

Também participaram do Diálogos da Orla o superintendente de Estudos, Programas, Monitoramento e Educação Ambiental do instituto, Luiz Rios; o subsecretário de Áreas Protegidas, Cerrado e Direito dos Animais, da Secretaria do Meio Ambiente, Romulo Mello; o administrador do Lago Sul, Aldenir Paraguassú; o chefe-adjunto da Casa Civil, Fábio Rodrigues Pereira; e representantes da Polícia Militar do Distrito Federal.

 

Brasília Ambiental - Governo do Distrito Federal

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543