Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/06/18 às 16h48 - Atualizado em 17/12/18 às 11h25

Ibram coloca em prática nova estrutura organizacional

O projeto foi desenvolvido por consultoria contratada via Unesco , que  ouviu os servidores, e o objetivo é modernizar  a gestão do órgão, além de dinamizar as análises dos processos.

 

O Instituto Brasília Ambiental, Ibram, começa a por em prática esta semana um novo modelo de gestão administrativa. O redesenho organizacional, elaborado por uma consultoria contratada via Unesco, foi publicado no Diário Oficial de sexta-feira, 29 de junho, e apresenta um novo organograma para o órgão, criando novas dinâmicas de trabalho, agilizando as análises de processos e melhorando o relacionamento entre os setores. O objetivo, segundo o presidente Aldo Fernandes, é modernizar a estrutura de maneira a atender mais celeremente as demandas, sem prejuízo da qualidade do trabalho dos técnicos e especialistas.

 

O modelo adotado promove mais interatividade entre os setores do órgão ambiental, reformula o quadro de cargos, criando diretorias em substituição às atuais coordenações, promove alguns remanejamentos e aprimora canais de comunicação. Ao final, são reduzidos os níveis hierárquicos nas chamadas áreas finalísticas (licenciamento, fiscalização, monitoramento e gestão de unidades de conservação) e o número total de cargos cai de 135 para 130. Outra preocupação era evitar o aumento de custos, segundo ainda Aldo Fernandes. “A orientação, desde o início, era de que se prezasse pela economicidade”, diz ele.

 

A nova estrutura organizacional do Ibram também mantém os atuais níveis percentuais de servidores de carreira do órgão em cargos em comissão. 56% destes são ocupados por concursados. “Além de cumprir as determinações legais, que exigem que esse número seja sempre superior a 50%, o Ibram também tem em seus quadros efetivos e comissionados um número considerável de profissionais qualificados”, afirma Aldo Fernandes, ele mesmo um servidor de carreira desde a criação do Instituto, há onze anos. Sua atuação em órgãos ambientais, entretanto, se iniciou em 1992, ao ingressar ainda não extinto auditor fiscal em 1992 onde foi dirigente em vários momentos.

 

 

De acordo com os indicadores apresentados pelo órgão, 63% dos servidores têm pós-graduação em suas áreas, 18% têm mestrado e 15% apenas graduação. Entre profissionais sem vínculo, 79% têm formação superior e 12% têm pós-graduação e mestrado. 1% tem doutorado e 9% têm nível médio. Isso, na visão do atual superintendente de administração geral, Cleicione Carlos, mostra a preocupação com a qualificação profissional entre os nomeados.

 

 

A consultoria contratada pela Unesco apresentou três propostas para debates em dezenas de reuniões com os servidores, ao longo dos últimos seis meses, apoiados por um grupo de trabalho formado pelos representantes de várias áreas. Mas a proposição aprovada finalmente foi uma quarta alternativa, reunindo as ideias que mais formaram consenso em cada uma delas. O foco da mudança é buscar a efetividade dos serviços prestados à Sociedade, de acordo com Ney Villa, da Consultoria Quântica, selecionada por meio do convênio firmado entre Unesco e Ibram para elaborar os projetos.

 

 

Esta é a terceira reformulação feita na estrutura do Ibram. Mas, é a primeira realizada por uma empresa especializada e discutida com os servidores. Foram mais de vinte reuniões para apresentação e discussão das propostas, que acabaram sendo reunidas em torno de uma única, segundo Villa, a mais completa. A empresa fez intenso Benchmarking em outros estados antes de oferecer uma estrutura que ele define como mais moderna e adequada a uma autarquia que se pretende mais ágil e eficiente.

 

“Acredito que com essa nova estrutura, aliada à implantação do SEI em todo o GDF, uma importante ferramenta de gestão, preparando o órgão para os novos desafios do futuro, como a integração com o ZEE (Zoneamento Ecológico Econômico), já tramitando na Câmara Legislativa”, acrescenta Aldo Fernandes.

 

Pelas responsabilidades e atribuições que detém, a atuação do Ibram tem repercussão direta na economia e sociedade, por isso buscar produtividade e prestatividade são iniciativas louváveis, elogia, por sua vez, o secretário de Meio Ambiente do DF, Felipe Ferreira, a cuja pasta o Instituto é vinculado. Veja o novo organograma e breves perfis de alguns dirigentes.

 

Conheça o novo organograma do Ibram.

Brasília Ambiental - Governo do Distrito Federal

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543