Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/07/21 às 12h12 - Atualizado em 9/07/21 às 10h58

Conhecendo mais sobre gatos e sua criação

O número de gatos convivendo atualmente com as pessoas é crescente, porém ao mesmo tempo também aumenta o registro de gatos abandonados e vítimas de maus-tratos. Um dos motivos apontados para o frequente abandono de gatos é a comparação constante feita entre seu comportamento com o de cães, além do desconhecimento em relação a comportamentos próprios da espécie. Apesar de serem considerados mais independentes que os cães, os gatos também precisam de atenção e cuidados durante toda sua vida, que pode durar mais de 15 anos.

 

Como cuidar do seu gato

 

1) Do local 

Gatos precisam de um local para se abrigar e se sentir protegidos.

Gatos precisam de um local seguro e confortável para descansar e dormir.

Um ambiente monótono pode gerar estresse.

Uma ação que favorece a adaptação dos gatos é verticalizar o ambiente, fornecendo prateleiras no alto de ambientes internos e externos, com passagens interligando umas às outras.

Além dessas estruturas, a presença de outros objetos como caixas de papelão ou caixotes de madeira e plástico estimula as atividades naturais da espécie.

 

Fonte: https://www.flickr.com/photos/mediawench/6990801214

 

2) Alimentação e Água

• A água deve ser sempre provida fresca e em recipientes limpos.

• Gatos precisam de uma dieta nutricionalmente equilibrada. Eles requerem maiores níveis de proteína e gordura em suas dietas, em relação aos cães.

• Existe uma variedade de alimentos próprios para gatos, seja na forma de ração seca ou úmida.

• Gatos não caçam por estarem famintos, isso é algo que fazem por natureza. Porém, a castração associada ao fornecimento regular de alimentação pode desestimular esse comportamento.

• Alimente seu gato adulto preferencialmente duas vezes ao dia. Filhotes, gatos idosos e gestantes necessitarão de pequenas porções de alimento, várias vezes ao dia.

• São muitos os alimentos que podem ser prejudiciais aos gatos. Na dúvida, o melhor a fazer é oferecer ao seu animal produtos próprios para eles, que atendam às suas particularidades e necessidades alimentares.

 

3) Companhia humana

• Gatos demandam menos atenção do que cães e não precisam ser levados para passear, porém também gostam muito da companhia de seus donos.

 

4) Arranhadura

• A ação de arranhar é um comportamento próprio da espécie, uma tentativa de deixar marcas visuais e odores liberados por glândulas das patas.

• Proporcione superfícies que possam ser arranhadas, revestidas com carpete, por exemplo.

• Outra opção é dispor tubos enrolados com barbante ou sisal e fixá-los numa base, tendo certeza de que o material está bem fixo e a estrutura está bem apoiada.

• Também é possível produzir um arranhador feito com tiras de papelão de tamanho igual, coladas juntas com cola comum não tóxica.

 

Fonte: https://pxhere.com/pt/photo/457263

 

5) Saúde

• Gatos que saem para a rua e os que vivem em locais sujos podem apresentar vermes, carrapatos, pulgas, piolhos ou sarna.

• As áreas onde os gatos habitam e descansam sempre devem ser mantidas limpas.

• Gatos saudáveis têm a pelagem e os olhos brilhantes, sem secreções ou sujeira.

• Consulte sempre o veterinário. Ele é o profissional indicado para lhe informar sobre os cuidados com o seu animal.

• Dar atenção e carinho para seu gato é importante para mantê-lo saudável e feliz.

 

6) Medicamentos

A intoxicação por medicamentos está entre as principais causas de intoxicações em animais domésticos. Isso se dá pela cultura da automedicação, que leva as pessoas a administrarem remédios humanos em animais. Fármacos que são comumente utilizados em humanos, mesmo em crianças, podem gerar danos irreversíveis à saúde dos animais, a exemplo do paracetamol, frequentemente envolvido no envenenamento de cães e gatos.

 

Jamais administre medicação sem a indicação de um veterinário.

 

7) Vacinação

• Gatos devem ser vacinados contra as principais doenças felinas e contra a raiva.

• A vacinação previne doenças e reduz o risco de infecção para outros animais.

 

Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Iranian_cat_in_clinic.jpg

 

8) Cuidados de Higiene

• Todos os gatos, tenham a pelagem longa ou curta, devem ser escovados regularmente. Esse hábito permite verificar a presença de parasitas externos e de ferimentos.

• Gatos com a pelagem longa precisam de uma atenção especial para que seus pelos não embolem.

• A escovação frequente acostuma o seu gato a ser manuseado.

• A indicação é que seja fornecida uma caixa de areia para cada gato, além de uma a mais em locais com vários indivíduos, sendo que não devem ser agrupadas todas em um só lugar.

• Em ambientes com vários felinos pode haver demarcação com urina, sendo comumente associada a conflitos entre os gatos. A demarcação com fezes é mais rara e os dois comportamentos podem ser amenizados com o uso adequado das bandejas sanitárias.

 

9) Reprodução

• Gatas podem entrar no cio a partir do quarto mês de vida e gerar muitos filhotes por ano.

• Gatas gestantes e lactantes precisam de reforço na alimentação.

• Filhotes mamam aproximadamente até a terceira semana de vida, até que começam a se alimentar também de ração.

• As gatas naturalmente protegem seus filhotes, é importante proporcionar-lhes um ambiente sossegado.

• Para prevenir as ninhadas indesejadas, submeta seus gatos à esterilização cirúrgica (castração). Trata-se um procedimento relativamente simples e seguro, que somente deve ser realizado pelo médico veterinário.

 

Fonte: https://pxhere.com/pt/photo/1438575

 

10) Esterilização cirúrgica (castração)

• Equipamentos mais modernos e o surgimento de novas técnicas e medicações tornaram a cirurgia, sob anestesia geral, segura, indolor e de recuperação mais rápida.

• Pergunte ao seu veterinário o procedimento para submeter seus gatos à esterilização cirúrgica.

• As gatas não precisam ter uma ninhada antes de serem submetidas à esterilização cirúrgica.

• A esterilização cirúrgica realizada precocemente, a partir dos dois meses de idade, em fêmeas e machos, é recomendada para o controle da superpopulação felina.

• Após a esterilização cirúrgica, sua gata não entrará mais no cio e os machos não serão mais atraídos para ela.

• Submeter as gatas à esterilização cirúrgica diminui o risco de surgimento de tumores mamários e infecções uterinas.

• Gatos submetidos à esterilização cirúrgica reduzem o hábito de demarcar seu território com um odor forte que atrai as fêmeas.

• A esterilização cirúrgica reduz as brigas entre os gatos rivais. Nas populações de gatos que vivem soltos em áreas públicas, o corte da ponta da orelha esquerda quando ainda se encontra anestesiado é a marcação universal para identificar aqueles que foram submetidos à cirurgia de esterilização.

 

11) Em caso de intoxicação

Para que uma intoxicação ocorra, não é necessário que haja a ingestão da substância, por vezes apenas o contato com a pele ou inalação podem gerar um quadro clínico. A ingestão de um veneno pode ocorrer por conta da substância ser palatável ou no ato de lamber as patas após o contato com o produto. Gatos se intoxicam mais facilmente que cães, uma vez que não metabolizam algumas substâncias que são absorvidas em contato com a pele. Os sintomas comuns da ingestão de venenos são:

• Salivação excessiva.

• Vômitos.

• Pupilas dilatadas.

• Possivelmente o animal irá parar de andar.

• Contrações musculares involuntárias.

 

O que fazer quando há intoxicação?

• Leve imediatamente o animal ao veterinário ou peça atendimento domiciliar.

 

Referências bibliográficas

CONCEIÇÃO, J. L. S.; Ortiz, M. A. L. Intoxicação domiciliar de cães e gatos. Revista UNINGÁ Review, vol. 24, nº 2, pp. 59-62. 2015.

GIANNICO, A. T.; Ponczek, C. A. C.; Jesus, A. S.; Melchert, A.; Okamoto, P. T. C. G. Alimentos tóxicos para cães e gatos. Colloquium Agrariae, vol. 10, nº 1, pp. 69-86. 2014.

MEU cão está intoxicado. O que fazer?. Centro de Produções Técnicas, Artigos de Cursos Pet. Disponível em: <https://www.cpt.com.br/cursos-pet/artigos/meu-cao-esta-intoxicado-o-que-fazer>. Acesso em: 21, maio de 2021.

NUNES, V. P.; Soares, G. M. Gatos, equívocos e desconhecimento na destinação de animais em abrigos: Revisão da Literatura. Revista Brasileira de Zoociências – Etologia Aplicada e Bem-estar Animal, vol. 19, nº 2. 2018.

PEREIRA, A. C. F.; Scheraiber, M. Principais alimentos tóxicos para cães e gatos – Artigo de revisão. Biociências, Biotecnologia e Saúde, vol. 3, nº 12. 2015.

WSPA. Sociedade mundial de proteção animal. Disponível em: <https://rabiesalliance.org/resource/caring-your-dog-portugues>. Acesso em: 18, maio de 2021.

ZANCAN, M.; Claus, M. P.; Caminotto, E. L. Identificação e minimização de distúrbios comportamentais em felinos associado à superpopulação. Trabalho de Conclusão de Curso (Medicina veterinária). Instituto Federal Catarinense. 2016.

Brasília Ambiental - Governo do Distrito Federal

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543