Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/07/21 às 11h16 - Atualizado em 8/07/21 às 12h13

Conhecendo mais sobre cães e sua criação

O convívio entre esses animais e seres humanos data de mais de 10.000 anos. Os cães têm sidos utilizados em funções como guarda, pastoreio, guia para pessoas com visão reduzida, assistência de pessoas com outras dificuldades físicas ou psicológicas e também para companhia.

 

Populações de cães nas ruas são uma fonte potencial de zoonoses, mordeduras, acidentes de trânsito, e  danos ao meio ambiente na invasão de Unidades de Conservação, por exemplo. Segundo estimativas da OMS de 2014, só no Brasil haveriam 20 milhões de cães abandonados. Entre os fatores que levam a isso estão o desconhecimento do comportamento canino normal e expectativas irreais sobre os animais.

 

Caso queira adquirir um cão de qualquer tamanho, cor ou tipo, sugere-se  adotar um, pois existem muitos prontos para a adoção à espera de um lar. A vida desses animais pode durar mais de 15 anos e ele precisará de cuidados durante todo esse tempo, portanto planeje-se e jamais abandone seu cão. Para que o seu cão tenha uma vida saudável e feliz, ele precisa de uma dieta balanceada, cuidados veterinários, companhia e exercícios. Seguem algumas orientações gerais para cuidado do seu animal.

 

1. Do local

Cães que vivem do lado de fora de casa precisam de um local protegido contra a chuva, o frio e o sol em excesso. Além disso, precisam de camas confortáveis.

Caso o seu cão precise ficar preso temporariamente, utilize um fio bem comprido.

Correntes fixadas no chão podem se enrolar ao redor do corpo do cão e causar lesões.

 

2. Alimento e água

Cães precisam de uma dieta balanceada com proteínas e fibras. Restos de comida não são suficientes para manter o peso adequado e os músculos fortes.

Ossos afiados podem ficar presos na garganta e causar problemas quando ingeridos.

A água deve ser oferecida fresca numa vasilha sempre limpa.

 

Fonte: https://pixabay.com/pt/photos/golden-retriever-filhote-de-cachorro-2706672/

 

3. Medicamentos

A intoxicação por medicamentos está entre as principais causas de intoxicações em animais domésticos. Isso se dá pela cultura da automedicação, que leva as pessoas a administrarem remédios humanos em animais. Fármacos que são comumente utilizados em humanos, mesmo em crianças, podem gerar danos irreversíveis à saúde dos animais, a exemplo do paracetamol, frequentemente envolvido no envenenamento de cães e gatos.

 

Jamais administre medicação sem a indicação de um veterinário.

 

4. Exercícios

Cães não devem ficar presos permanentemente. Eles precisam ser socializados, ou seja, ter contato com outras pessoas e animais para que não se tornem agressivos.

Caminhadas diárias e brincadeiras deixarão seu cão alerta, ativo e alegre. Um cão entediado pode latir em excesso, incomodando a vizinhança.

Ao levá-lo à rua, sempre use coleira e guia, e recolha sua fezes. No casos de cães de porte médio e grande use a focinheira.

 

5. Higiene

Um cão sob maus cuidados pode apresentar pulgas, carrapatos, piolhos, vermes ou sarna. Consulte sempre o seu veterinário.

Mantenha seu cão e a área onde ele vive sempre limpos.

 

Fonte: https://pixabay.com/pt/photos/c%C3%A3o-chuveiro-aliciamento-limpa-1178365/

 

6. Vacinações

Cães devem ser vacinados contra as principais doenças caninas e contra a raiva.

A vacinação, além da prevenção contra doenças, reduz o risco de infecção para outros animais.

 

7. Escovação

A escovação regular proporciona a oportunidade de identificar parasitas externos, além de manter a pelagem do cão limpa e desembaraçada.

A escovação frequente  acostuma o seu cão a ser manuseado.

 

8. Reprodução

As cadelas podem entrar no cio a partir do 6º mês de vida e gerar muitos filhotes por ano.

Cadelas gestantes e lactantes precisam de reforço na alimentação.

Filhotes mamam até aproximadamente a terceira semana de vida, até que gradualmente começam a se alimentar também de ração.

As cadelas protegem naturalmente seus filhotes e é importante proporcionar-lhes um ambiente sossegado.

Para evitar ninhadas indesejadas, submeta seus cães à esterilização cirúrgica. Trata-se um procedimento relativamente simples e seguro, que somente deve ser realizado pelo médico veterinário.

 

9. Esterilização cirúrgica (Castração)

Equipamentos modernos e o surgimentos de novas técnicas e medicações tornaram a cirurgia, sob anestesia geral, segura, indolor e de recuperação mais rápida.

Pergunte ao seu veterinário o procedimento para submeter seus cães à esterilização cirúrgica.

As cadelas não precisam ter uma ninhada antes de serem submetidas à castração.

Uma vez submetida à esterilização cirúrgica, sua cadela não entrará mais no cio e os machos não serão mais atraídos por ela. Também é reduzido o risco do surgimento de tumores mamários.

Fonte: https://pixabay.com/pt/photos/animal-sa%C3%BAde-ao-ar-livre-cachorro-4907433/

 

10. Em caso de intoxicação

Para que uma intoxicação ocorra, não é necessário que haja a ingestão da substância, por vezes apenas o contato com a pele ou inalação podem gerar um quadro clínico. A ingestão de um veneno pode ocorrer por conta da substância ser palatável ou no ato de lamber as patas após o contato com o produto. Os sintomas comuns da ingestão de venenos são:

Salivação excessiva.

Vômitos.

Pupilas dilatadas.

Possivelmente o animal irá parar de andar.

Contrações musculares involuntárias.

 

O que fazer quando há intoxicação?

Leve imediatamente o animal ao veterinário ou peça atendimento domiciliar.

 

Referências bibliográficas

Alves, A. J. S.; Guilloux, A. G. A.; Zetun, C. B.; Polo, G.; Braga, G. B.; Panachão, L. I.; Santos, O.; Dias, R. A. Abandono de cães na América Latina: revisão de literatura. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, vol. 11, nº 2, pp. 34-41. 2013.

CONCEIÇÃO, J. L. S.; Ortiz, M. A. L. Intoxicação domiciliar de cães e gatos. Revista UNINGÁ Review, vol. 24, nº 2, pp. 59-62. 2015.

GIANNICO, A. T.; Ponczek, C. A. C.; Jesus, A. S.; Melchert, A.; Okamoto, P. T. C. G. Alimentos tóxicos para cães e gatos. Colloquium Agrariae, vol. 10, nº 1, pp. 69-86. 2014.

MEU cão está intoxicado. O que fazer?. Centro de Produções Técnicas, Artigos de Cursos Pet. Disponível em: <https://www.cpt.com.br/cursos-pet/artigos/meu-cao-esta-intoxicado-o-que-fazer>. Acesso em: 21, maio de 2021.

NUNES, V. P.; Soares, G. M. Gatos, equívocos e desconhecimento na destinação de animais em abrigos: Revisão da Literatura. Revista Brasileira de Zoociências – Etologia Aplicada e Bem-estar Animal, vol. 19, nº 2. 2018.

PEREIRA, A. C. F.; Scheraiber, M. Principais alimentos tóxicos para cães e gatos – Artigo de revisão. Biociências, Biotecnologia e Saúde, vol. 3, nº 12. 2015.

QUEIROZ, F. K. N.; Rodrigues, K. S.; Souza, O. S.; Minguins, W. G.; Yamaguchi, H. K. L.; Duarte, C. S. Abandono de animais no brasil: consequências geradas à sociedade. Revista Ensino, Saúde e Biotecnologia da Amazônia, vol. 2, nº esp., pp. 56-59. 2021.

SANTOS, W. R. Caracterização espacial e estratégias de manejo para a espécie exótica invasora Canis lupus familiaris na Estação Ecológica Águas Emendadas, DF. Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências Biológicas), Centro Universitário do Distrito Federal – UDF. 2020.

WSPA. Sociedade mundial de proteção animal. Disponível em: <https://rabiesalliance.org/resource/caring-your-cat-portugues>. Acesso em: 18, maio de 2021.

Brasília Ambiental - Governo do Distrito Federal

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543