Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/08/19 às 10h00 - Atualizado em 20/08/19 às 11h03

Brasília fará parte da Rede Brasileira de Trilhas

Foto: Agência Brasília

 

As trilhas de longo percurso atraem milhões de turistas em todo o mundo, e Brasília e o Brasil estão investindo na construção de circuitos que atraiam caminhantes e ciclistas para a prática dessa experiência.

 

O Distrito Federal já mapeou 400 quilômetros de percursos que irão formar o “Caminhos do Planalto Central” e farão parte do Caminho dos Goyases, que liga a cidade de Goiás Velho à Chapada dos Veadeiros, ambos no estado goiano.

 

Dos 400 quilômetros de trilhas, entre 80 e 100 quilômetros já estão sinalizados. “Temos um produto maravilhoso nas nossas mãos. Vamos trabalhar com os idealizadores desse projeto para que ele funcione. O mais difícil já está feito. É extremamente difícil criar uma rota como essa”, destacou a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, que participou de uma bete-papo sobre o tema para debater os propósitos, desafios e caminhos para transformar  em realidade, os Caminhos do Planalto Central.

 

No DF, as trilhas são o Arco Cafuringa, em Águas Emendadas, o Arco Trilha União, que segue pelo contorno do Parque Nacional e a Trilha Arco Brasília, com percurso que conecta o Parque Nacional de Brasília ao Santuário dos Pajés.

 

Vanessa Mendonça enfatizou que percursos como esse, além de ajudarem na preservação do ecossistema, também são um importante chamariz de turistas, que acabam impulsionando a economia das cidades que abrigam esse tipo de atividade, por meio do aumento de arrecadação, de emprego e de renda.

 

“Os Estados Unidos recebem 307 milhões de visitantes por ano e faturam R$ 2 bilhões nesse segmento do Turismo. O DF tem uma das mais amplas redes de proteção ambiental do Brasil, riqueza de fauna e flora nativa do Cerrado e um relevo que favorece essa prática”, ressaltou a secretária de Turismo.

 

De acordo com um dos coordenadores do projeto Caminhos do Planalto Central João Carlos Machado, esse trabalho construiu uma nova experiência na capital brasileira. “São centenas de quilômetros que ligam regiões de ecoturismo com a de Patrimônio Cultural da Humanidade. Os percursos interligam paisagens, unidades de conservação e diversos atrativos ambientais, culturais e da história da nossa região”, frisou.

 

João Carlos explica que o projeto foi composto por três arcos que irão integrar todas as regiões do Distrito Federal ao Caminho dos Goyases, que faz parte da Rede Nacional de Trilhas de Longo Curso e Conectividade (RedeTrilhas).

 

A construção do “Caminhos do Planalto Central” contou com a participação de grupos de caminhadas, de ciclistas e de cavalgadas.  Todo o trabalho foi realizado em parceria com o Brasília Ambiental (Ibram) e com Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para conseguir alcançar o objetivo de integrar as ideias de preservação, turismo sustentável e geração de emprego e renda na capital do país.

 

Rede Brasileira de Trilhas 

Criada por meio de uma portaria assinada pelo ICMBio e pelos ministérios do Turismo e Meio Ambiente, em outubro do ano passado,  a RedeTrilhas é composta por percursos que ligam diferentes biomas de Norte a Sul do País. São identificadas com um símbolo de uma “pegada” amarela no chão e poderão ser percorridas a pé, de bicicleta ou utilizando outros modos de viagem não motorizados.

 

A Rede de Trilhas de Longo Curso engloba várias trilhas locais e regionais. São quatro os circuitos criados: Litorâneo, do Oiapoque (AP) ao Chuí (RS); Caminhos Coloniais –  do Rio de Janeiro até Goiás Velho (GO); Caminhos dos Goyases – entre Goiás Velho e a Chapada dos Veadeiros (GO) e Caminhos do Peabiru, ligando o Parque Nacional do Iguaçu (PR) ao litoral paranaense.

 

Com informações da Agência Brasília

Brasília Ambiental - Governo de Brasília

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543