Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/11/13 às 16h23 - Atualizado em 17/12/18 às 11h24

10º Congresso do Reeditor Ambiental mostrou que é possível levar a consciência ambiental às crianças de forma lúdica

“A partir de agora, vocês são multiplicadores e devem espalhar a importância do meio ambiente. Vocês saem daqui com essa obrigação, de ajudar a melhorar o planeta e a conservar a natureza”, falou o secretário de Meio Ambiente, Eduardo Brandão, durante a abertura do 10º Congresso do Reeditor Ambiental. O evento realizado pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram),aconteceu ontem, 12 de novembro, e reuniu cerca de 500 pessoas, entre professores e alunos de escolas da rede pública do Distrito Federal, para apresentar os projetos de educação ambiental, conscientização e preservação do meio ambiente desenvolvidosao longo do ano.

O projeto Reeditor Ambiental é uma qualificação voltada para professores e alunos do ensino fundamental e médio, adequando o conteúdo ambiental trabalhado nas aulas à realidade da região onde fica a escola e a comunidade. O curso gerenciado pela Escola de Aperfeiçoamento Profissional da Secretaria de Educação, com o suporte acadêmico da UnB, qualificou este ano cerca de 30 professores, 500 alunos, diretamente, e alcançou aproximadamente mais de três mil pessoas entre alunos e comunidade em diversas regiões do DF.

Durante a abertura do congresso, a chefe do Núcleo de Educação Ambiental da Secretaria de Educação, Josimary Ribeiro, comunicou uma parceria que está sendo firmada entre a Secretaria de Educação, a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e o Ibram que visa estender o projeto para mais quatro parques, podendo, assim, atender outras escolas.

Participaram, também, da solenidade de abertura a secretária Geral do Ibram, Renata Fortes, a coordenadora do Nepso, Leila Andrade e o diretor da UnB Planaltina, LuisPasqueti.

Lição para a vida toda

A Escola Classe 305 Sul, do Plano Piloto, apresentou durante o 10º Congresso do Reeditor Ambiental o projeto A Horta da Educação, onde os alunos do 3º ano cultivaram plantas medicinais em uma horta desenvolvida na escola. Segundo a professora Dania Alves Machado, este trabalho mudou a vida das crianças que passaram a conhecer mais sobre a natureza, o cerrado e os alimentos naturais.

“Tínhamos muita dificuldade de inserir nas crianças o hábito da alimentação saudável e com este projeto, eles começaram a conhecer mais sobre os alimentos naturais e com isso houve uma mudança de hábitos grande e drástica também dentro de casa. Hoje nossos alunos tomam sucos e comem biscoitos de aveia e mel, ao invés de refrigerantes e biscoitos recheados. Com o passeio na Estação Ecológica de Águas Emendadas (Esecae), as crianças conheceram várias plantas do cerrado e descobriram que a natureza também está aqui perto deles e não só na Floresta Amazônica ou no Pantanal. Levar às crianças uma consciência ecológica é um trabalho de formiguinha,mas essa é uma lição para a vida toda”, contou a professora.

Ao todo, foram apresentados durante o evento 17 projetos baseados nas orientações do curso Reeditor Ambiental e realizados pelas escolas, abordando temas como A Problemática da Água na Região da Grande Fercal e Sarandi Pesquisa as Mudanças Climáticas.

Para o professor da UnB Planaltina, Irineu Tamaio, o 10º Congresso do Reeditor Ambiental mostrou que é possível trabalhar com outras formas de ensino nas escolas e faculdades. “Vimos aqui o aprendizado sendo passado de forma lúdica, como poesia, canto e teatro. As crianças aprenderam outrojeitode expressão que não só o conteudista, por isso esse tipo de projeto deve ser valorizado”, concluiu.

Brasília Ambiental - Governo do Distrito Federal

SEPN 511 - Bloco C - Edifício Bittar - CEP: 70.750-543